conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Brasil

Anvisa muda a versão e diz autorizar volta de testes de vacina contra COVID-19

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta quarta-feira (11) a autorização para a retomada dos testes da vacina Coronavac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria, no Brasil, com o Instituto Butantan, vinculado ao Governo de São Paulo.

O órgão federal havia suspendido os testes da imunização contra a covid-19 na noite de segunda-feira (9), após ser informado pelo instituto de um evento adverso grave não relacionado ao produto —dando início a uma guerra de versões entre as duas entidades e à suspeita de politização da agência pelo Governo Bolsonaro.

Em nota, a agência afirma que avaliou novos dados apresentados pelo instituto paulista depois da suspensão do estudo e que agora entende ter subsídios suficientes para permitir a retomada da aplicação experimental da vacina.

Na terça-feira (10), em entrevista coletiva, o órgão federal havia declarado que as informações enviadas pelo Butantan foram consideradas insuficientes pela área técnica para liberar a continuidade dos estudos.

No comunicado desta quarta, a agência federal reitera que a iniciativa anterior de interromper os testes teve “caráter exclusivamente técnico” e levou em consideração dados que eram de conhecimento da agência até aquele momento, além dos “preceitos científicos e legais que devem nortear as nossas ações, especialmente o princípio da precaução que prevê a prudência, a cautela decisória quando conhecimento científico não é capaz de afastar a possibilidade de dano”.

A Anvisa afirma ainda que a suspensão de qualquer estudo não significa que o produto sob investigação não tenha qualidade, segurança ou eficácia. “A suspensão e retomada de estudos clínicos são eventos comuns em pesquisa clínica e todos os estudos destinados a registro de medicamentos que estão autorizados no país são avaliados previamente pela Anvisa com o objetivo de preservar a segurança para os voluntários do estudo”, declarou.

A ordem de paralisar os ensaios com a vacina alimentou suspeitas de disputa política em torno da luta pelo combate ao coronavírus. A Coronavac é uma vitrine do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), tornado desafeto do presidente Jair Bolsonaro.

Na manhã de terça, Bolsonaro chegou a celebrar como uma vitória a paralisação dos testes. “Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Doria queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu o mandatário do país no Facebook, usando afirmações sem nenhuma evidência até agora.

Na terça, o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, disse que soube pela imprensa sobre a proibição. “É uma notícia que causa surpresa, insegurança e, no nosso caso, causa até indignação”. Segundo a entidade paulista, a agência federal foi informada desde o início que o evento adverso grave não estava relacionado à aplicação da imunização —conforme noticiado por diversos veículos de imprensa, o voluntário cometeu suicídio.

Em nota após a notícia da liberação dos testes, o chefe do Butantan comemorou a decisão e agradeceu à agência federal pela “compreensão e pela rapidez com que foi autorizada a retomada dos estudos clínicos”.

 

Com informações Agência Brasil e Elpaís

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Campo Mourão

Decisão foi tomada diante do aumento de casos da covid-19 e a lotação de leitos hospitalares.

Paraná

Quase 12% das pessoas internadas por covid-19 no Paraná, nesta terça-feira (23), têm entre 20 e 39 anos.

Campo Mourão

Esta é a segunda confirmação neste domingo (14) no município.

Campo Mourão

Após 19 dias de internação para tratamento do vírus, ele apresentou boa evolução do quadro clínico de saúde.