conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Policial

Em Goiás, Juíza concede liberdade a detenta vegana por “falta de alimentação adequada”

Uma decisão da justiça de Goiás suspendeu a prisão preventiva de uma advogada vegana. Em sua decisão, a juíza Placidina Pires alegou que não é possível manter a detenção se o Estado não é capaz de fornecer uma alimentação adequada.

A decisão é do dia 3 de dezembro e acatou um pedido da defesa, que alegou que sua cliente se alimentava apenas com cenoura e quiabo, o que a levou a internamento médico.  No entanto, em sua decisão, a Juíza reconheceu que a defesa não conseguiu comprovar a internação da advogada vegana, mas isso não mudou sua decisão.

Com a decisão, a advogada, que é suspeita por integrar uma organização criminosa envolvida em lavagem de dinheiro e jogos de azar, vai usar tornozeleira eletrônica e está obrigada a comparecer a todos os autos do processo.

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Campo Mourão

Aniversariante chegou a se esconder no meio do mato pra fugir de blitz da aglomeração.

Campo Mourão

Cidade já perdeu 126 moradores para doença

Campo Mourão

Esta é a 119ª vitima da doença no município.

Comcam

Entre esses pacientes, 5 estavam na lista de regulação para vaga em leitos de enfermaria e 6 pessoas necessitando de vagas em leito UTI.