conecte-se conosco

Olá, o que você está procurando?

Campo Mourão

Governo quer intervir para militarizar 8 colégios de Campo Mourão e região; Comunidade pode barrar proposta em votação nesta terça (27)

O governador Ratinho Júnior (PSD) confirmou nesta segunda-feira (26), que pretende intervir em 8 colégios estaduais de Campo Mourão e de mais 4 cidades da região transformando em escolas militares.

Ao todo 215 colégios do Paraná podem começar o ano de 2021 sob esse regime, nos locais que o Estado considera serem territórios mais vulneráveis. O projeto cria uma relação direta entre pobreza e violência.

A justificativa para implementação é a de que, sob gestão dos militares, as escolas conseguirão resolver a questão da violência, e ainda produzir melhores resultados educacionais, a partir de mais regras e disciplinas no ambiente escolar.

O projeto proposto pelo Executivo foi aprovado a toque de caixa pela base governista Assembleia Legislativa, em sessão virtual no meio da pandemia de coronavírus.

A rapidez com que as escolas cívico-militares estão sendo implementadas não permitiu debate em comissões da Assembleia, audiência pública e tão pouco debates com a comunidade escolar.

Os nomes das instituições que o governo pretende transformar em militares somente foi apresentado nesta segunda. Estão na lista:

  • Campo Mourão: Vinícius de Moraes, Darcy José Costa, Antônio Teodoro e Unidade Polo;
  • Peabiru: Olavo Bilac;
  • Goioerê: Vila Guaíra;
  • Mamborê: Rui Barbosa;
  • Ubiratã: Olavo Bilac.

Os professores, funcionários, pais, responsáveis serão consultados se aceitam ou não essa intervenção nas escolas, nesta terça-feira (27) e quarta-feira (28). Quanto aos estudantes só terão direito ao voto na consulta pública os maiores de 18 anos.

Como devem funcionar?

A consulta pública sobre a implementação ou não da escola militar pode ser a última vez que a comunidade votará. Após a oficialização, os cargos de direção serão sempre indicados pelo governo. A nova lei não informa se ainda será permitido o funcionamento das Associações de Pais e Mestres (APM’s) e dos Grêmios Estudantis.

As instituições de ensino serão geridas pela Segurança Pública e Secretaria da Educação do Paraná.

Haverá um diretor e de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho da escola, que serão selecionados no Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários (CMEIV) e ficarão responsáveis pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares.

O governo também indicará um diretor-geral e um diretor-auxiliar civis, no entanto a lei não especifica quais são as funções atribuídas a esses cargos.

Falsa sensação de “limite e ordem”  

Para professora Fabiane Oliveira, pós-doutoranda em políticas educacionais e integrante do Observatório do Ensino Médio da UFPR, o convencimento do governo em relação à proposta parte de uma premissa falsa.

“Existe a falsa sensação de que ao militarizar serão estabelecidos o limite e ordem. No entanto, este não é um pressuposto pedagógico que deve nortear o trabalho nas escolas. Além disso, a proposta não leva em conta os professores, a equipe pedagógica, pois no lugar destes profissionais que estudaram a vida inteira para estarem na escola, estarão os militares que não tem nenhum preparo para o processo ensino aprendizagem, objetivo de ser da escola,” diz.

Para o sociólogo e educador Miguel Arroyo, que vê o modelo com preocupação. Para ele, há perguntas anteriores que devem ser feitas antes de substituir gestores educacionais por militares e levar a lógica da militarização a esses espaços. “Por que há violência nas escolas e qual ideal de educação temos?”, questiona.

Para ele este modelo “Está se decretando a falência da escola pública e não só dela enquanto instituição, mas também dos educadores e dos gestores educacionais formados para atuar na área. Ao substituí-los por militares, damos um recado claro: vocês fracassaram. E isso é muito sério. A tentativa é de desconstruir toda a luta por uma educação pública de qualidade”.

Desvio de recursos

Pela lei recursos destinados ao atendimento de toda a rede estadual de educação serão divididos para a implantação de colégios sob o modelo militar.

Serão repassados R$ 65 milhões das verbas da educação reduzindo os investimentos nas áreas como a formação continuada dos profissionais da educação, o Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE) e a realização dos Jogos Escolares.

A Secretaria da Educação e do Esporte (Seed) informou que do total R$ 25,5 milhões irá para o pagamento de diárias aos militares.

Leia Também: 

Colégio Vinicius de Moraes dobra o seu IDEB em apenas 4 anos

Com informações Cnte

Clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Campo Mourão

Aniversariante chegou a se esconder no meio do mato pra fugir de blitz da aglomeração.

Comcam

Entre esses pacientes, 5 estavam na lista de regulação para vaga em leitos de enfermaria e 6 pessoas necessitando de vagas em leito UTI.

Campo Mourão

Decisão foi tomada diante do aumento de casos da covid-19 e a lotação de leitos hospitalares.

Campo Mourão

Esta é a oitava morte esta semana pela covid-19